27 de jun de 2009

Nailpolish

Ela mudou a cor do esmalte, penteou o cabelo diferente e saiu com um sorriso no rosto. Nada demais, nada de menos, mas uma vontade de viver e sentir o novo a flor da pele como o vento batendo no rosto com sabor de fruta madura. Ela mudara a cor do esmalte, e comprou novos livros, leu todas as orelhas tentando absorver o máximo de conhecimento possível, tudo novo, de novo. E assim, como um cameleão se camuflando na paisagem, ela saiu a procura de novos amigos, novas vidas. Era a hora de agarrar o touro pelos chifres e dominá-lo. Sem saber, ela havia mudado a cor do esmalte e mesmo assim todo mundo soube que aquele rosa forte não era comum, nada de normal, nada de bizarro. E as horas passaram, os dias e a semana também. O rosa já não era mais o mesmo, ela já não era mais a mesma. Mais uma demão do cintilante numa tentativa boba de capturar aquele momento para sempre. Riu, foi em vão, nada que um pouco de acetona não resolvesse. Então, removida a camada, ficou aquela pequena tela em branco distribuída entre os cinco dedos de cada mão, e com ela mais um milhão possibilidades, mais milhão de novidades e todo o tempo do mundo pra usar.

3 comentários:

Ana disse...

Venho todos os dias aqui ver se há algum texto novo... Mas mesmo não tendo, leio sempre esse aqui. Tão eu.

Carlota Xavier disse...

Tão bom! =]

Prêmio M3, disse...

ela se fez diferente!!
que tal se refazer..?